Plano Estratégico

As atividades planeadas para o ciclo 2018-22 reforçam o nosso compromisso com a investigação artística, dada a urgência de um discurso estruturado sobre a relevância da arte nos debates e nas práticas atuais. Estas atividades estão organizadas em seis grandes contribuições interdisciplinares:

  1. Gesto artístico: compreender porque o gesto é um elemento humano crucial na indução de expressão, ‘embodiment’, sentido e empatia.
  2. O presente no nosso passado: compreender melhor a forma como a nossa condição presente influencia a renovação de leituras e audições de realizações artísticas passadas.
  3. Práticas de criação contemporânea: promover mecanismos de criação artística através de uma melhor compreensão das estratégias narrativas e do funcionamento da intuição.
  4. Conservação sustentável: desenvolver metodologias e aplicações digitais que respondam aos desafios geriátricos e de gentrificação do consumo cultural, turismo e alterações climáticas.
  5. Desenvolvimento de Audiências e Diversidade: estudar as condições e promover as oportunidades de desenvolvimento de audiências através de “encontros” artísticos como agenda de investigação.
  6. Preservação da Arte Digital: contribuir para o lançamento de uma plataforma incubadora que promova esta área emergente.

 

O plano estratégico visa garantir a visibilidade internacional, contribuindo para a criação de um centro de referência na área da ciência e tecnologia das artes dedicado à investigação interdisciplinar e centrado na prática artística. Especificamente, planeamos:

  • Estimular as nossas redes e parcerias nacionais e internacionais.
  • Promover a liderança e participação em projetos, publicações e outros ‘outputs’ de alcance e impacto internacional.
  • Fomentar ações de intercâmbio e mobilidade de professores e investigadores.
  • Reforçar os programas de formação avançada em articulação com a Escola das Artes.
  • Desenvolver estratégias de crescimento das nossas atividades de transferência de tecnologia e conhecimento.
  • Promover iniciativas de comunicação e divulgação cultural da investigação em comunidades não-científicas.
  • Organizar eventos científicos, que possam desenvolver as nossas redes nacionais e internacionais.
  • Promover a criação artística como investigação, desenvolvendo uma política de atracão de cientistas e artistas.