Intimidade por Detrás da Superfície: O Trabalho em Diálogo entre Artistas

PrintPrint
Português
Estado: 
Em curso
Grupo de investigacao: 
Computação Musical e Sonora
Tipologia: 
Investigação e Desenvolvimento
Investigador principal: 
Sónia Neves
Resumo: 

O íntimo é por natureza interno, onde guardamos o nosso ser invisível. Na consciência do seu corpo opaco o indivíduo estabelece uma ideia de fronteira. Criar intimidade é então uma proposta de um corpo em transparência, sentir pontos de contacto e estados de cumplicidade — no qual a condição de partilha é essencial. Se entendermos o objecto artístico como uma espécie de fronteira, a investigação propõe transpor a superfície e fazer uma leitura para além da obra. Mais do que a procura de novos significados, é uma proposta de encontro de ideias, onde são convocados vários olhares: do criador, espectador, etc. Partir da temática intimidade, critério usado para seleccionar as obras de arte, foi a condição necessária para começar de um ponto ainda próximo: onde o autor se expõe e fala sobre si. Decidiu-se também analisar somente obras produzidas por mulheres, pela simultaneidade do corpo, do olhar e do previr.

Aliada a esse estado de intimidade persiste uma ideia de reflexividade, mas noutra dimensão: a artista que ensaia sobre a obra de outras artistas. Nessa relação contínua de cumplicidades surgem visões enriquecedoras acerca da produção artística.

Pode dizer-se que a investigação revelará uma espécie de cartografia de afectos, traçada no encontro com as artistas, e com base das nossas próprias experiências privadas e colectivas: um mapa conjuntamente construído num espaço mental.

Atividades e calendario: 

Data de início: Setembro de 2010
Data de finalização: Fevereiro de 2014

Parceiros: Universidade de Vigo / Facultad de Belas Artes de Pontevedra

Financiamento: FCT BD (SFRH/BD/64733/2009)

Sumario: 

O íntimo é por natureza interno, onde guardamos o nosso ser invisível. Na consciência do seu corpo opaco o indivíduo estabelece uma ideia de fronteira. Criar intimidade é então uma proposta de um corpo em transparência, sentir pontos de contacto e estados de cumplicidade — no qual a condição de partilha é essencial.
09/2010 to 02/2014