A Paisagem Sonora: Da Percepção à Composição Electroacústica

PrintPrint
Português
Estado: 
Em curso
Grupo de investigacao: 
Computação Musical e Sonora
Tipologia: 
Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento
Investigador principal: 
João Castro Pinto (100%)
Elementos da equipa (%afetação): 
Orientador: Prof. Dr. António de Sousa Dias
Resumo: 

Uma Paisagem Sonora (Soundscape) consiste tanto nas características peculiares de um dado ambiente acústico como no resultado de uma composição musical construída através da organização de sons, modificados ou inalterados, na sua morfologia através de processos electroacústicos de tratamento de sinal.

Este projecto pretende analisar, no âmbito da informática musical, as implicações fenomenológico-estéticas e tecnológicas deste género/corrente musical, dirigindo especial enfoque para o estudo da percepção (atendendo às conclusões científicas actuais da psicoacústica e fenomenologia) e das tecnologias de criação/composição. Elaborar-se-á uma hermenêutica que contribua para uma análise crítica às principais tecnologias composicionais específicas desta área criativa.

O projecto divide-se em duas componentes complementares: uma recensão teórica que analisará os conceitos essenciais relativos a esta área, perspectivando pontos de vista inéditos para a compreensão da prática da Soundscape Composition, e uma dimensão técnica, em que se abordarão os processos da composição e se irão propor novas abordagens de índole tecnológica.

Objetivos do projeto: 

O projecto detém 3 objectivos centrais:

  1. Contribuir para a reflexão acerca da percepção (como faculdade que preconiza a representação mental do som), enquanto catalisadora de sensações referentes a eventos temporais sonoros que permitem a consciência da soundscape. Para tal recorreremos à análise de conceitos da Fenomenologia (Husserl, Merleau-Ponty e Heidegger) contrapondo-os aos novos conceitos da Filosofia do Som, como o realismo sónico e o anti visuocentrismo (a problemática da percepção aural ser equivocamente explorada de acordo com os princípios da percepção visual) e da Filosofia da Tecnologia (a não neutralidade da techné, por exemplo). Perspectivar-se-á uma nova abordagem do papel pró-activo da recepção da soundscape composition, i.é, da génese de uma recepção que seja mais escuta do que audição. A este respeito analisar-se-ão, entre outros, os conceitos e práticas da deep listening de Pauline Oliveros. Estudar-se-ão as tipologias musicais anteriores à soundscape composition: música concreta, acusmática e electroacústica, como movimentos artísticos de vanguarda e compositores notáveis, enquadrando contextualmente a presente investigação.
  2. Realizar uma crítica às técnicas / tecnologias associadas às especificidades composicionais da soundscape, expondo os mais rececentes desenvolvimentos de sistemas de captação sonora (field recordings + microfones / gravadores) e de processamento de sinal áudio, como software e algoritmos de tratamento / controlo em tempo real do som: algoritmos genéticos, controlo dinâmico via inputs biológicos, sensores e touchscreens. Pretende-se contribuir para a criação de novas ferramentas ao serviço da composição da soundscape, mediante elaboração de programas (plugins VST – Virtual Studio Technology, por exemplo), em softwares como: Max-MSP, Csound e SuperCollider. Apresentar-se-á uma crítica ao T.A.P.E.S.T.R.E.A. – Techniques And Paradigms for Expressive Synthesis, Transformation and Rendering of Environmental Audio - o único sotware existente à data especialmente dedicado à composição com sons ambientais.
  3. Demarcar a presente investigação das linhas mestras da ecologia acústica, promovendo a separação funcional entre dois conceitos: a soundscape e a soundscape composition.
Atividades e calendario: 

Publicação do paper intitulado “What is a Soundscape Composition: towards a paradigmatic definition” no Emille Volume 10, revista da Sociedade de Música Electroacústica da Coreia, que irá ser publicado no presente mês de Abril de 2013. O referido paper foi seleccionado, no âmbito de um call internacional, para apresentação na KEAMS conference de 2012, na Universidade de Seoul, tendo sido posteriormente seleccionado para publicação na revista anual da KEAMS. O artigo está publicado nas actas do congresso e será, conforme o supracitado, publicado em formato pdf e físico, brevemente.

Artigo publicado no n.º 3 da revista do CITAR, Outono de 2011, intitulado “O Estatuto da Interactividade na Arte Computacional: Aporias Formais. - Questionamentos e Constrangimentos Conceptuais Patentes na Produção de Obras Artísticas via Sistemas Computacionais com Dispositivos Interactivos.“

Prevê o investigador participar em variadas conferências vindouras, nomeadamente na 2ª Conferência Internacional da Destellos Foundation, intitulada : "Resonances of thought …art, science and philosophy", a decorrer na Universidade Nacional de Mar de Plata, na Argentina, durante 3 e 5 de Outubro de 2013.

Sumario: 

A Paisagem Sonora: da percepção à composição electroacústica Uma Paisagem Sonora (Soundscape) consiste tanto nas características peculiares de um dado ambiente acústico como no resultado de uma composição musical construída através da organização de sons, modificados ou inalterados, na sua morfologia através de processos electroacústicos de tratamento de sinal.